Maio 21 2011

 

Congro

 

O Congro é uma espécie comum da nossa costa. Devido à sua abundância e ao seu grande porte, é um dos peixes favoritos dos pescadores desportivos.

O Congro, de nome científico Conger conger, pertence à família dos Congridae, à ordem dos Anguilliformes, e à classe dos Actinopterygii. Este peixe pode ser encontrado desde e Noruega e Islândia até ao Senegal; ilhas Canárias, Madeira e Açores; Mediterrâneo e Mar Negro. O seu habitat é em fundos rochosos, fendas e buracos, desde a costa até à plataforma continental e até aos mil metros de profundidade.

Peixe grande, tem o corpo compacto e de forma cilíndrica, parecendo-se com uma serpente, mas ligeiramente espalmado na parte posterior. Possui uma só barbatana, resultante da fusão das barbatanas dorsal, caudal e anal. Não tem escamas. Na sua cabeça, de forma ogival, destaca-se a enorme boca que esconde duas fiadas de dentes e umas mandíbulas bastante fortes. A sua cor varia entre o preto e o cinzento – o dorso é normalmente cinzento nos exemplares mais jovens e mais negro nos de maior porte, sendo o ventre de um tom esbranquiçado.

As fêmeas são os exemplares de maior porte, podendo alcançar os três metros e até 60 quilos. As fêmeas alcançam a maturidade aproximadamente aos 15 anos de idade (medindo cerca de 2 metros) e, os machos, aproximadamente, aos cinco anos de idade (com cerca de 75 cm). As fêmeas após a desova morrem e as larvas permanecem os dois primeiros anos de vida entre os 100 e os 200 metros de profundidade. Só quando atingem cerca de 15 cm é que os “jovens” se aproximam da costa. Na sua fase menos desenvolvida, enquanto não atinge grande porte, é vulgarmente chamado de Safio.

É um peixe de actividade nocturna em condições normais de visibilidade, permanecendo abrigado entre as pedras de dia e saindo de noite para ir buscar alimento. Quanto maior é a profundidade a que se pesca mais hipóteses temos de pescá-lo de dia, já que as águas são mais escuras.

O Congro é um animal bastante curioso mas, apesar do seu tamanho, é assustadiço, fugindo ao menor sinal de perigo. É um combatente nato, lutando com grande vigor e, uma vez fisgado, tem agilidade suficiente para se agarrar a um obstáculo, ou a uma pedra. Predador nocturno, alimenta-se fundamentalmente de peixes, crustáceos e polvos.

Quando em movimento, desloca-se a meias águas e quando caça fá-lo perto do fundo. Normalmente, apanha a sua presa na ponta das suas fortes mandíbulas antes de a introduzir na boca para mastigar.

Os Congros apanhados a partir da costa são fisgados, principalmente, à noite em zonas de águas menos profundas, de fundo irregular e rochoso. De noite o peixe move-se em direcção a terra para se alimentar.

Por conhecimento próprio – a pescar na zona de Aveiro –, a melhor época para a pesca ao Congro é entre os meses de Outubro e Março, sempre à noite e no virar das marés. As melhores luas são a lua nova e o quarto-crescente.

Costuma dar bom resultado pescar depois das tempestades, bem como, com as águas turvas e ligeiro vento de norte (não vale a pena pescar com vento leste, pois o Congro não aparecerá), embora quanto menos vento houver, mais favorável será a pesca. O Congro aprecia as águas calmas. O peixe maior sai com águas paradas.

Publicado por reidoscongros às 16:00
Tags:

mais sobre mim
Maio 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20

23
27
28

30
31


pesquisar
 
Contador
blogs SAPO